segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Mentir, Trair, Ser Infiel!

Pequeno resumo da ópera para aqueles que adoram complicar essas definições!


Quem mente torna-se infiel a algo ou a alguém! E os infiéis cometem traições! Traem a si mesmos em primeiro lugar! Simple as that!


E é de pequeno que se torce o pepino claro! Alguma esperança de recuperação para os mentirosos de marca maior? Não!


Pensei em cadeira elétrica e forca! Ou decapitação! Acordei benevolente nessa manhã de segunda! risos...


domingo, 31 de outubro de 2010

Smash Mouth - Why Can't We Be Friends

Já podemos ser amigos? Don't know yet! Mas a música me ajuda a crer que sim!

sábado, 30 de outubro de 2010

Resposta de Camões a meu Pensamento Consciente!

OS DESCONCERTOS DO MUNDO
“Ao desconcerto do Mundo”
Os bons vi sempre passar
no Mundo grandes tormentos;
e para mais me espantar,
os maus vi sempre nadar
em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
o bem tão mal ordenado,
fui mau, mas fui castigado:
assim que, só para mim,
anda o Mundo concertado.

Pensamento Consciente! Eartha Kitt - I Want To Be Evil (Live Kaskad 1962)

domingo, 26 de setembro de 2010

Lembranças da Infância!

Minha mãe sempre achou engraçado eu gostar de alguns discos dela. Gosto particularmente de três! Um dos Carpenters, um chamado Rock Anos 60 e Meus Caros Amigos de Chico Buarque (este já tenho remasterizado em CD!).


Hoje me veio a mente a seguinte canção que me trouxe lembranças de um tempo muito gostoso! Um Alessandro mais menino e mais criança. O Alessandro mudou muito de lá pra cá... Mas continua sendo o Alessando de sempre! A little bit blue I guess... Para os amigos de anos isso faz sentido! Para quem não me conhece de verdade parecem frases pensativas demais. Filosóficas demais.


Para estas últimas pessoas - julguem menos e procurem conhecer o próximo (que pode ou não seu eu! ;D). Permitam-se olhar além de seu mundinho e de seu próprio umbigo. Sejam verdadeiras consigo mesmas e com as pessoas que consideram queridas. Queiram conhecer essas pessoas que consideram queridas. Conhecer de verdade... Aceitar seus defeitos e reconhecer suas qualidades. Participem da vida desses entes queridos e permitam que eles participem das suas. De forma verdadeira também...


Sim. Estas linhas soam como desabafo. E na verdade são. Como todas as demais linhas que aqui surgem.


Talking to myself and feeling old
Sometimes I'd like to quit
Nothing ever seems to fit
(...)
What I've got they used to call the blues
Nothing is really wrong
Felling like I don't belong
(...)
What I feel is come and gone before
No need to talk it out
We know what it's all about










terça-feira, 7 de setembro de 2010

terça-feira, 24 de agosto de 2010

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

PEDAL 08AGO2010 | Voltando as raízes!


No final do nosso passeio de hoje, domingo Dia dos Pais, recebi carinhosos "escreva mais" (valeu Kiko!) que juntamente com os demais elogios me fizeram voltar a realmente escrever mais sobre nossas experiências pedalísticas!


Hoje o pedal foi literalmente passeio-no-parque (pouco mais de 20 km inclusive levando a bike pra passear no Jardim da Luz também)! Volto a frisar que nossos encontros não podem contar como prática desportiva! risos... Os objetivos são outros (mesmo que não muito claros pra muita gente! ; b). Iniciamos como sempre na Frutaria Paulista (final da Paulista e da Angélica) lá pelas 10h e alguma coisa. Acredito que este ponto de encontro não possa mais ser alterado. Eu já estou condicionado e posso me perder! Como estávamos com artigos importados no grupo (seja bem vindo sempre Pedro! Werter, traga-o sempre!) descemos em direção ao centro da cidade para ilustramos e vivenciarmos parte da história de São Paulo.

Acho sempre engraçada essa denominação de centro para uma cidade tão grande como São Paulo. Os mais antigos ainda o chamam de "cidade". Minha avó até hoje me pergunta: "Vai pra cidade?". Assim, o centro de São Paulo, como marco inicial da cidade, já foi a peça central desta grande metrópole. A ponto de ser considerado como "cidade". Com o crescimento (ordenado e desordenado nesses mais de 400 anos) de São Paulo esse contexto mudou. O centro de São Paulo continua sendo denominado centro mas com a conotação de marco zero. Hoje, a vida nesta cidade grande gira em tornos de centenas de outros centros urbanos que independem da primeira região central. Mas esta ainda guarda seu charme e elegância de tempos idos.

Volto no tempo quando percorro alguns caminhos no centro da cidade. Imagino como seria estar no auge dessas grandes e luxuosas construções, desse espaço feito para o caminhar como bem colocado pelo Carlos. Arquitetura que não se faz mais hoje em dia. Uma riqueza de detalhes e materiais que talvez não voltem mais. Os tempos mudam. Mas mesmo assim temos e sentimos o gostinho do passado. Demos algumas voltas no centro e passamos pelo Pátio do Colégio onde o Padre Manuel da Nóbrega e o noviço José de Anchieta estabeleceram um núcleo de catequização dos índios no planalto paulista. Vimos e tiramos fotos com a marquesa (!). E ainda me perguntam por que gosto e estou em São Paulo!

Sempre tive uma ligação afetiva muito grande com esta cidade. Apesar de ter nascido aqui fui criado e naturalizado catarinense (já não canto tanto... risos...). Voltei há  4 anos pra metrópole. E estou feliz nesta cidade. Feliz por respirar história no centro da cidade, por vivenciar um pouco o passado e aprender com ele, por estar com amigos que participaram e muito de tudo isso (você tem muitas intervenções no centro Carlos. Bom poder compartilhar isso com os amigos) e estar com outros que são apaixonados pelos fatos e acontecimentos da cidade (valeu Cesar!). Fora a companhia sempre bacana dos demais pedalantes que contribuem com presença, causos, histórias e amizade.

Voltei pra cá, Carlos, por me sentir em casa, por querer retornar as minhas raízes, por me sentir familiarizado com a arquitetura e os espaços através das histórias da minha família contadas em Joinville. Eu me sinto bem aqui. E as histórias que carrego dentro de mim, a vida da minha família por aqui, lembranças de outrem muito queridos pra mim, me trazem sentimentos de alegria, conforto e proteção. Sentimentos semelhantes que experimento dentro do grupo de pedal onde me sinto querido e protegido (viva o comportamento de bando!).

E nada mais inconsciente do que, no Dia dos Pais, pedalarmos pelas origens da cidade de São Paulo. Onde neste dia tão especial comemoramos parte de nossa própria origem. Voltamos a atenção para nossas raízes passeando e perambulando também pelas raízes de São Paulo. Cada qual a sua maneira e com suas próprias vivências. Alguns com muito a se comemorar nessa data e, outros com um sentimento de perda ou vazio (saudade de um pai que já se foi ou talvez de um que nunca tenha existido de verdade. Olhe pra cima! Ou pra dentro de si!). 

Nossas raízes se entrelaçam e se misturam mais a cada encontro de pedal (hoje também tive seção terapia com o Cesar num papo lado a lado bem bacana. Brigado!). Bom poder criar raízes na minha terra natal com amigos tão bacanas. Bom poder compartilhar essas histórias com pessoas tão especiais.

E você talvez seja uma delas. Venha se enraizar em nossa singela e alegre floresta repleta de histórias, vidas, paixões e muitas pedaladas!

sábado, 21 de agosto de 2010

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Aprenda com Gandhi!

"Assim como uma gota de veneno compromete um balde inteiro, também a mentira, por menor que seja, estraga toda a nossa vida."


Mahatma Gandhi

terça-feira, 17 de agosto de 2010

O Sol nasce novamente! Sempre!

Começo e Fim...

Como tudo começou...





E como tudo termina...


sábado, 14 de agosto de 2010

PEDAL 01AGO2010 | As Bicicletas de Belleville!

Hoje enquanto pedalava lembrei muito de um filme que assisti anos atrás em ótima companhia no Rio (bom ter amigos como você Paulo) - As Bicicletas de Belleville (Les Triplettes de Belleville). Filme francês que mostra a paixão de um menino solitário pelo pedal. Paixão esta incentivada pela avó (recomendo se ainda não assistiu).

Nem sempre encontramos nossas paixões e o que nos torna mais felizes. Mas quando encontramos algo que nos traz alegria devemos abraçar com disposição! Sempre gostei muito de pedalar e há alguns anos atrás minhas pedaladas começaram a ficar mais sérias. Isso quer dizer trechos mais longos e mais tempo em cima da magrela! Culpa de minha amiga triatleta (valeu Cris!) que me incentivou a correr e pedalar. Hoje sei que deixei de ser um mero "bicicleteiro" e passei para a categoria ciclista (amador claro). O pedal se tornou uma paixão em minha vida que limpa minha mente, ordena minhas idéias e no grupo me aproxima de pessoas bacanas e que possuem a mesma paixão que eu.

No encontro de hoje, no primeiro dia do mês do cachorro louco, nos encontramos como sempre na Frutaria Paulista (no final da Paulista e da Angélica) por volta das 10h da manhã. Pedalamos algo entre 20 e 30 km... A contagem é variável pois cada um tem a sua em seu respectivo ciclocomputador. Mas a mais precisa feita pelo GPS do Nando hoje comeu uns trechos (a tecnologia é ótima quando funciona!). Fomos até o Parque da Juventude (em Santana bem ao lado do Metrô Carandiru) onde antigamente funcionava a Casa de Detenção Carandiru. Chegando lá nos deparamos com uma fanfarra tocando a mil e cheia de evoluções e acrobacias (veja as imagens!). Pura diversão! Enfim, demos uma volta em todo o parque pra conhecermos o local e sua fauna e flora! risos... O espaço é bem legal!

Como sempre, pedalamos em vários momentos lado a lado conhecendo um ao outro.  Não biblicamente claro. Não sei se tenho destreza pra isso também... risos... Mas fico feliz em pedalar na companhia de bons amigos e novos que chegam a cada pedalada. Hoje conheci a Renata que é amiga do Celso e descobri também que todos, inclusive eu, estudamos na UEL (Universidade Estadual de Londrina) e fomos contemporâneos na época. Incrível! Sempre fico impressionado com esses encontros aqui na cidade grande. Em algum momento lá em Londrina com certeza nos esbarramos ou sentamos na mesma mesa para almoçar no RU (Restaurante Universitário - a comida era boa e nem era bandejão!). Mas somente hoje tivemos a oportunidade de conversar e trocar idéias. E o que proporcionou esse encontro hoje e não há anos atrás? A paixão pelo pedal!

E esse é um dos motivos que me faz acordar um pouquinho mais cedo no domingo de manhã e ir pedalar. Boa companhia! Novos amigos! Novos antigos amigos ou antigos novos amigos! Como preferir. E todos com a mesma paixão. Encontrei no pedal grupal ou como uma amiga denominou, orgia no selim (risos...), bons amigos para compartilhar esses momentos antes solitários. Agora limpo minha mente, ordeno minhas idéias e faço novos amigos além de cultivar as demais amizades! Trocamos idéias, pensamentos, histórias! E com certeza damos muitas risadas. A pedalada é uma mera desculpa pra nos encontrarmos e não pode contar como prática de exercício físico! risos... Mas gastamos nossas calorias que tento repor no percurso com alguma boquinha leve (poxa! Hoje só foi um pão de queijo, um misto quente, um suco e o CarbUp!). Sim, sinto fome! Sempre! Além de tudo, a cada pedalada conhecemos mais um pouquinho um do outro...

Hoje descobri que o Celso só atende gente louca! Descobri que o Nando é curintiano (Deus tenha piedade!)! Descobri que a Renata, eu e o Celso estudamos na mesma universidade (Well, eu estudei na UEL!)! Descobri que o Alejandro já é pai (viva a Sol)! Conheci pessoalmente o Cesar depois de várias mensagens carinhosas no Facebook! E conheci o Gustavo e dialogamos como bons amigos apesar da rixa entre nossas profissões! E vimos o Kiko de pé na areia no Rio via Facebook para iPhone! E esse dia gostoso de pedal com todas essas pessoas bacanas (mesmo as virtuais!) já está registrado com carinho em minha memória e nestas singelas palavras.

Se uma de suas paixões é o pedal, deixe e preguiça de lado no domingo de manhã e venha passear com a gente. A gente não morde! (alguns podem achar isso uma pena claro!). Se não tem bicicleta saiba que pode alugar (o Gustavo fez isso hoje!). Se não sabe se o pedal pode ser uma paixão sua venha descobrir num dia de sol! Sunday morning! O que tem a perder? A ganhar muitas coisas. No mínimo bons e divertidos amigos loucos por bicicleta (ninguém ainda medicado até onde sei... risos...).

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

ARQUITETURA | Fachada Legal! Cor Fascinante!

Fazia tempo que não via um edifício bacana com uma cor condizente. Curti muito esse nos Jardins em São Paulo. Prédio pastilhado em azul e branco. Gostei muito!




sexta-feira, 23 de julho de 2010

Aprenda a ME amar!!!

Seria muito mais fácil viver e conviver se todas as pessoas viessem com um manual de instruções. Evitaríamos muitos equívocos, enganos e tudo fluiria mais facilmente. Só precisaríamos ler TODO o manual e pronto. Fácil assim! Simples assim! Porém, seríamos privados de todas as surpresas e encantos e desencantos que o não conhecimento de alguém nos traz. Algumas surpresas ruins e algumas decepções, mas muitas surpresas fantásticas também!


Correndo o risco de me tornar mais conhecido e mais transparente (isso é possível?) coloco aqui algumas dicas, conselhos e orientações do MEU manual. Aprenda a ME amar! Mamãe não me entregou esse manual. Tive que aprender na marra! Dou de mão beijada aqui! Aproveite! (Ah! A fábrica me disse também que não aceita devoluções!). Por conta e risco agora!


Claro que vou fazer uso de citações. Mais fácil de ilustrar.


Li há algum tempo atrás O Monge E O Executivo (fui praticamente obrigado pela minha sábia mãe que possui mais de 10 anos na área de recrutamento e seleção). Confesso que achei um livro chatérrimo de ler. Leitura travada. Mas o lia em filas de banco, supermercado, etc. Foi um daqueles livros magrinhos que não acabam nunca. A capa já ficando puída dentro da mochila de tanto andar de lá pra cá e daqui pra lá sem nunca parar em casa (lugar dos livros errantes que andam comigo quando são completamente lidos). Consegui com muito custo terminar de ler o livro e sinceramente aprendi algumas coisas com ele. O que me deixou bastante satisfeito. Afinal, aprendi também com um ex-namorado da irmã de uma grande amiga minha (pelo grau de parentesco já esqueci o nome dele claro!) que um livro só é bom quando você aprende algo com ele. E aprendi! Aprendi o significado da palavra compromisso.


"Compromisso é ater-se as SUAS escolhas."


"SUAS" está grifado! Quando assumimos um compromisso com alguém é uma escolha nossa. Não somos obrigados a nada (ou quase nada... risos...). Quando alguém me oferece algo e aceito de bom grado, o compromisso se estabelece. Atenha-se a ele! Atenha-se as SUAS próprias escolhas! Não vou cobrar um compromisso assumido e caído no esquecimento. Desisti de relacionamentos baseados em cobranças. Não funcionam direito. Não perduram. Se realmente for importante para o outro o compromisso assumido comigo ele será cumprido. E o esquecimento só demonstra essa falta de compromisso. Portanto, para me amar, cumpra seus compromissos comigo. Atenha-se as SUAS escolhas. Não é algo difícil de ser feito. E se for uma pessoa desmemoriada: anote na agenda, no celular, escreva na mão com caneta, amarre uma fita no dedo! Mas atenha-se as SUAS escolhas. O esquecimento não serve como desculpa. Nem esfarrapada!


Isso me faz lembrar uma outra citação do Dalai Lama que esbarrei ontem em algum lugar da internet. Provavelmente no Facebook de alguém.


"Dê a quem você ama: asas para voar, raízes para voltar e motivos para ficar."


Nada de cobranças (sim, a lembrança do compromisso não cumprido é uma cobrança). Liberte a pessoa que você ama, dê-lhe asas para voar longe e alto! O amor liberta, não deve escravizar! Ofereça também raízes para ela nutrir-se quando estiver com você! Alimente-a com sua presença, carinho e atenção. E ofereça motivos para essa pessoa ficar com você. Seja atraente, cuide de você mesmo e dela também, seja gentil, cordial, agradável, uma pessoa boa e honesta! (não todo o tempo... risos... Sei que isso não é possível!). Ofereço tudo isso quando amo alguém! E estou aprendendo a deixar a pessoa livre para fazer suas escolhas. Estar ou não estar comido é uma delas. Se ela voltar saberei que sou querido de alguma maneira. E nutro esse sentimento com toda a atenção que tenho disponível estando perto ou longe. Se quer realmente me amar me ofereça algo semelhante! Dê-me asas para voar e conquistar novos mundos e novas paragens. Nutra-me com seu carinho e atenção. Expresse-se com clareza e simplicidade. Diga que me ama, que me quer, que me deseja, que ao menos gosta de mim, que sente minha falta, que sente saudades, que precisa de mim... Expresse-se! Abra seu coração pra mim. É bom ouvirmos isso com certa freqüência. Faz-nos sentirmos queridos e com vontade de retornarmos sempre para o mesmo lugar depois de vôos extensos e cansativos. E me dê motivos para ficar junto de ti! Ofereça-me abrigo em seu coração e me embale em suas batidas. Ofereça-me proteção em seus braços. Ofereça-me seu amor. Olhe-me com ternura mas também com severidade quando estiver num caminho ruim. Segure na minha mão e me abrace forte dizendo que tudo vai dar certo! Que tudo já está dando certo! Diga que fui escolhido. Que sou um em um milhão. Compartilhe seus sonhos comigo (e não venha me dizer que não sonha! Isso é mais uma pequena mentira sempre desnecessária para mim! Todos sonhamos! Relembre-se ao menos dos seus sonhos. Eles apenas foram esquecidos). Case comigo! Compartilhe sua vida comigo, seus amigos, sua família e nada mais além de seu corpo e sua alma! Sua ânima! Anime-se comigo para que sejamos felizes juntos! Plante-me no seu jardim e não num vasinho que fica esquecido na sacada e é regado quase que por um acaso ou por hábito... Dê-me espaço para me enraizar em sua vida, para crescer e lhe oferecer minha sombra! Cuide de mim dessa maneira e assim terá me cativado para todo o sempre. Sendo este o maior motivo para eu ficar.


Por fim, deixarei uma citação de Nietzsche. Não concordo com tudo que ele pensou mas muita coisa me faz refletir como o que segue abaixo encontrado ontem no Facebook também (obrigado Rogerio).


"Sou demasiado orgulhoso para acreditar que um homem me ame: seria supor que ele sabe quem sou eu. Também não acredito que possa amar alguém: pressuporia que eu achasse um homem da minha condição."


Soa arrogante e orgulhos claro. Confesso que sou ainda um pouco orgulhoso pra muita coisa. Sou extremamente independente e me viro bem pra quase tudo em minha vida. Mas procuro esse compartilhar a vida com outro ser humano que em alguma instância envolve uma certa dependência (veja e entenda mais sobre isso na postagem http://pensamentosdoalessandro.blogspot.com/2008/04/contar-com-depender-e-precisar-de.html).


Preciso de alguém sim. Já fiz minha escolha. Agora, só preciso ser escolhido também. Mas acredito que possa amar. Obviamente contrariando Nietzsche. Para isso procuro conhecer o outro. Preciso conhecer o outro. E busco conhecê-lo com as perguntas mais estapafúrdias e as vezes surpreendentes por sua simplicidade: Quais são seus sonhos? é uma delas! Para me amar procure me conhecer. Interesse-se por mim. Pelos meus afazeres, por meus amigos (mas não muito porque sou ligeiramente ciumento!), pela minha família, pelo Tigor! Pergunte-me tudo e explore meu consciente e meu inconsciente! Questione-me, argumente e contra-argumente comigo. Faça-ma pensar. Mantenha minha mente ocupada. Assim meu coração se manterá também. Aquecido pelo seu interesse em desvendar o MEU EU. Da mesma foram desvendarei o SEU EU.
E assim, conhecidos ambos, seguiremos felizes de mãos dadas ou abraçados (as vezes isso sim se faz necessário!) por caminhos novos e inexplorados. Mas com a certeza de podermos contar sempre com alguém muito especial ao lado.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Queen por Muppets! Relembrar é viver!

Relembrar é viver! Queen cantado por Muppets! Lembranças gostosas da minha infância! Bom compartilhar meus pensamentos com você! Enjoy it!


segunda-feira, 19 de julho de 2010

VIVA Neruda!

Neruda tem me vindo forte a mente nesses últimos dias... Compartilho com você mais estes pensamentos...


"Saudade
Saudade é solidão acompanhada,
é quando o amor ainda não foi embora,
mais o amado já...

Saudade é amar um passado que ainda não passou,
é recusar um presente que nos machuca,
é não ver o futuro que nos convida...

Saudade é sentir que existe o que não existe mais...

Saudade é o inferno dos que perderam,
é a dor dos que ficaram para trás,
é o gosto de morte na boca dos que continuam...

Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
aquela que nunca amou.

E esse é o maior dos sofrimentos:
não ter por quem sentir saudades,
passar pela vida e não viver.

O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido."


"Se sou amado,
quanto mais amado
mais correspondo ao amor.

Se sou esquecido,
devo esquecer também,
pois amor é feito espelho:
-tem que ter reflexo."

terça-feira, 13 de julho de 2010

Alice Maria ou Maria Alice!

Sempre fico impressionado com as sincronicidades quando elas vêm forte! Hoje, no final da manhã, recebo uma mensagem via MSN ao mesmo tempo em que iria interagir com o dono da mesma. Sabe quando você pensa na pessoa e ela te liga? Foi exatamente isso que me aconteceu! Sincronicidade 1!!! Realmente não me recordo quando foi a última vez que isso aconteceu. E isso só faz eu me abismar mais ainda! Mas faz com que meu sentimento de sozinhez seja minimizado! ;D
Além disso o conteúdo da mensagem está ligado ao meu próprio blog (a mente humana é cheia de surpresas!)!
Sincronicidade 2!!!

Segue abaixo para entender melhor!




Para Maria da Graça
Paulo Mendes Campos
Agora que chegaste à idade avançada de 15 anos, Maria da Graça, eu te dou este livro:
Alice no país das Maravilhas. Este livro é doido, Maria. Isto é: o sentido dele está em ti. Escuta: se não descobrires um sentido na loucura acabarás louca. Aprende,
pois, logo de saída para a grande vida, a ler este livro como um simples manual do sentido evidente de todas as coisas, inclusive as loucas. Aprende isso a teu modo, pois te dou apenas umas poucas chaves entre milhares que abrem as portas da realidade.
A realidade, Maria, é louca.
Nem o Papa, ninguém no mundo, pode responder sem pestanejar à pergunta que Alice
faz à gatinha: “Fala a verdade, Dinah, já comeste um morcego?”.
Não te espantes quando o mundo amanhecer irreconhecível. Para melhor ou pior, isso acontece muitas vezes por ano. “Quem sou eu no mundo?” Essa indagação perplexa é o lugar comum de cada história de gente. Quantas vezes mais decifrares essa charada, tão entranhada em ti mesma como os teus ossos, mais forte ficarás. Não importa qual seja a resposta; o importante é dar ou inventar uma resposta. Ainda que seja mentira.
A sozinhez (esquece essa palavra que inventei agora sem querer) é inevitável. Foi o que Alice falou no fundo do poço: “Estou tão cansada de estar aqui sozinha!” O importante é que ela conseguiu sair de lá, abrindo a porta. A porta do poço! Só as criaturas humanas (nem mesmo os grandes macacos e os cães amestrados) conseguem abrir uma porta bem fechada, e vice-versa, isto é, fechar uma porta bem aberta.
Somos todos bobos, Maria. Praticamos uma ação trivial, e temos a presunção petulante de esperar dela grandes conseqüências. Quando Alice comeu o bolo, e não cresceu de tamanho, ficou no maior dos espantos. Apesar de ser isso o que acontece, geralmente, às pessoas que comem bolo.
grave.
Maria, há uma sabedoria social ou de bolso; nem toda sabedoria tem de serA gente vive errando em relação ao próximo e o jeito é pedir desculpas sete vezes por dia: “Oh, I beg your pardon!” Pois viver é falar de corda em casa de enforcado. Por isso te digo, para a tua sabedoria de bolso: se gostas de gato, experimenta o ponto de vista do rato.
Foi o que o rato perguntou à Alice: “Gostarias de gatos se fosses eu? “.
Os homens vivem apostando corrida, Maria. Nos escritórios, nos negócios, na política nacional e internacional, nos clubes, nos bares, nas artes, na literatura, até amigos, até irmãos, até marido e mulher, até namoradas, todos vivem apostando corrida. São competições tão confusas, tão cheias de truques, tão desnecessárias, tão fingindo que não é, tão ridículas muitas vezes, por caminhos tão escondidos que, quando os atletas chegam exaustos a um ponto, costumam perguntar: “A corrida terminou! Mas quem ganhou?” É bobice, Maria da Graça, disputar uma corrida se a gente não irá saber quem venceu. Se tiveres de ir a algum lugar, não te preocupe a vaidade fatigante de ser a primeira a chegar. Se chegares sempre aonde quiseres, ganhastes.
Disse o ratinho: “Minha história é longa e triste!” Ouvirás isso milhares de
vezes.
Como ouvirás a terrível variante: “Minha vida daria um romance”. Ora, como todas as vidas vividas até o fim são longas e tristes, e como todas as vidas dariam romances, pois o romance é só o jeito de contar uma vida, foge, polida mas energicamente, dos homens e das mulheres que suspiram e dizem: “Minha vida daria um romance!” Sobretudo dos homens. Uns chatos irremediáveis, Maria.
Os milagres sempre acontecem na vida de cada um e na vida de todos. Mas, ao contrário do que se pensa, os melhores e mais fundos milagres não acontecem de repente, mais devagar, muito devagar. Quero dizer seguinte: a palavra depressão cairá de moda mais cedo ou mais tarde. Como talvez seja mais tarde, prepara-te para a visita do monstro, e não te desesperes ao triste pensamento de Alice: “Devo estar diminuindo de novo”. Em algum lugar há cogumelos que nos fazem crescer novamente.
E escuta esta parábola perfeita: Alice tinha diminuído tanto de tamanho que tomou um camundongo por um hipopótamo. Isso acontece muito, Mariazinha. Mas não sejamos ingênuos, pois o contrário também acontece. E é um outro escritor inglês que nos fala mais ou menos assim: o camundongo que expulsamos ontem passou a ser hoje um terrível rinoceronte: É isso mesmo. A alma da gente é uma máquina
complicada que produz durante a vida uma quantidade imensa de camundongos que parecem hipopótamos e de rinocerontes que parecem camundongos. O jeito é rir no caso da primeira confusão e ficar bem disposto para enfrentar o rinoceronte que entrou em nossos domínios disfarçado de camundongo. E como tomar o pequeno por grande e o grande por pequeno é sempre meio cômico, nunca devemos perder o bom humor.
Toda pessoa deve ter três caixas para guardar humor: uma caixa grande para humor mais ou menos barato que a gente gasta na rua com os outros; uma caixa média para humor que a gente precisa ter quando está sozinho, para perdoares a ti mesma, para rires de ti mesma; por fim, uma caixinha preciosa, muito escondida, para as grandes ocasiões. Chamo de grandes ocasiões os momentos perigosos em que estamos cheios de dor ou de vaidade, em que sofremos a tentação de achar que fracassamos ou triunfamos, em que nos sentimos umas drogas ou muito bacanas. Cuidado, Maria, com as grandes ocasiões.
Por fim, mais uma palavra de bolso: às vezes uma pessoa se abandona de tal forma ao sofrimento, com uma tal complacência, que tem medo de não poder sair de lá. A dor também tem o seu feitiço, e este se vira contra o enfeitiçado. Por isso Alice, depois de ter chorado um lago, pensava: “Agora serei castigada, afogando-me em minhas próprias lágrimas”.
Conclusão: a própria dor deve ter a sua medida: É feio, é imodesto, é vão, é perigoso ultrapassar a fronteira de nossa dor, Maria da Graça.

Hoje de madrugada lá pela meia-noite e meia baixei pro meu iPhone (viva o eBooks!) os dois livros da Alice!
Sincronicidade 3!!! Fiquei assustado! Muito surpreso! Fazia muito tempo que isso não acontecia. Obrigado pela adrenalina Anderson e por compartilhar seus pensamentos comigo também! ;D Seja sempre bem-vindo! Be my quest!


Não vou comentar a inserção aqui. O texto fantástico de Paulo Mendes Campos fala por si. Muito obrigado também! ;D

sábado, 3 de julho de 2010

Viver ou Sonhar?

Sempre quando conheço algum ser humano novo a mesma pergunta é realizada. Quase como um ritual. Antigamente logo de cara, de supetão. Hoje, inconscientemente, ela ficou para interações futuras. Talvez por eu ter deixado de ser invasivo como era quando voltei pra terra natal. Coisas da minha criação joinvilana onde a invasão de privacidade é meramente assuntosa e não possui maldade alguma.


As respostas têm sido decepcionantes e frustrantes. "Quais são seus sonhos?" eu indago. Ouço variantes da mesma resposta: "Já realizei todos eles. Tenho uma casa, um carro, um bom emprego e viajo sempre." Quando foi que as pessoas pararam de sonhar de verdade? O mundo não é feito somente de matéria. Concordo que ela nos ajuda e muito. É bom estar num lar confortável que nos agrade, poder ir e vir num carro que consideremos bacana, possuir um emprego minimamente interessante que nos proporcione tudo isso e poder viajar e conhecer outras paragens, respirar novos ares. Mas e os demais sonhos? Ninguém mais sonha com o amor? Não me lembro de alguém ter respondido que sonha encontrar uma outra pessoa pra dividir todas essas conquistas terrenas. Ou, os que já encontraram e vivenciaram essa experiência já se deram por satisfeitos.


Uma das últimas respostas que tive que ainda me impressionam era que encontrar alguém para compartilhar a vida não era um sonho, era um fato. Como se sonhar fosse feio, fosse sem sentido, sem significado. Afinal, o sonho é apenas um sonho! Melhor trabalhar em cima de fatos. Acho que posso mudar minha pergunta daqui pra frente. "Quais são seus fatos?". E o que aconteceu com a citação: "Um sonho que se sonha só é só um sonho. Um sonho que se sonha junto é realidade."? Gosto de transformar a realidade ao meu redor. Faz parte da minha profissão como arquiteto. Mas sempre, SEMPRE, sonho junto! Só assim o sonho se torna efetivamente realidade ou se preferir, só assim o sonho se torna um fato!


Nesse meio tempo, entre este último ocorrido que me faz pender para a misantropia e esta postagem que agora escrevo, minha  mente preparou vários argumentos através de citações, frases e músicas (uma acima já foi citada). Algumas de um passado bem distante. Essa que vem bem de longe era de um quadro de uma gaivota voando pelo céu numa imagem monocromática toda laranja que tínhamos em casa.


"Nunca large mão dos seus sonhos. Pois se eles morrem, a vida se torna como um pássaro de asa quebrada que não pode voar."


Sempre quis voar desde criança. E quando era menor sonhava muito que agitava meus braços e voava como um pássaro livre que regressava sempre pro conforto da minha casa, da minha família. O sonho evoluiu ao ponto de eu poder voar sem precisar bater os braços despenados. Hoje não sonho mais em voar. Hoje sei que alcei vôo sozinho e já realizei muitos dos meus sonhos. Mas continuo sonhando com uma revoada de coisas. E continuo sonhando com o amor. Em compartilhar meus sonhos com outro ser humano que se predisponha a isso e juntos possamos construirmos uma nova realidade.


Goethe escreveu também: "O que quer que possa fazer ou sonhe em fazer comece-o. Existe algo de genealidade, de poder e de magia na coragem.".


Sonhar é mágico! Outra palavra que anda perdida em nosso mundo. Magia. A magia do amor soa piegas demais pra você? Pra mim não. Comecei a dar passos novos em minha vida profissional. Comecei. E isto foi o suficiente pra magia se estabelecer. Hoje um mundo completamente novo e ao mesmo tempo bem conhecido se apresenta pra mim. Cheio de possibilidades, mais sonhos e por que não, magia.


Busquei refúgio deste mundo de pessoas factuais na música também. Belchior na voz de Elis me veio primeiro a mente. "Viver é melhor que sonhar!" Cante junto com ela abaixo (sei que você sabe a letra toda!).





Viver realmente é melhor que sonhar. Isso sim é um fato que aceito de bom grado. Mas ainda sonho como uma criança. E como as pessoas factuais me dizem: "Você é uma criança crescida". As vezes considero essa avaliação ruim mas as mesmas pessoas factuais dizem que não. Talvez por lembrarem que um dia já foram assim também. Mas que em algum momento de suas histórias a criança que sonhava se perdeu.


Revi esses dias o filme O Pequeno Príncipe (eu sei que é livro de Miss mas paciência...). E percebi o quanto algumas coisas nele são próximas do que sinto. Parei de confiar nos adultos que não sonham mais assim como o piloto perdido no deserto parou de confiar nos adultos que viam seu desenho apenas como um chapéu e não como uma jibóia digerindo um elefante. Minha visão não é mais inocente como quando eu era criança. Afinal já sou um adulto. Ou factualmente, sou uma criança crescida (qual a diferença?). Mas conservo ainda a capacidade de ver as pessoas com essa inocência deliciosa de toda criança perguntando: "Quais são seus sonhos?". Ainda continuo me relacionando com pessoas factuais repetindo o mesmo mantra: "O essencial é invisível aos olhos. Só se vê bem com o olhos do coração." Tento me enquadrar nos padrões da normalidade imposta pelo mundo apesar de saber que sou uma pessoa verde (né Lu?!). No fundo, bem lá no fundo, meu coração me diz que alguns seres humanos factuais são boas pessoas e que não posso renegar minha espécie completamente. Já disse que se encontrasse Pandora eu a esganaria? Só um pouquinho... Maldita esperança que alimenta nossos corações!


Enfim... Continuo sonhando.


Hoje, um pouco antes de me sentar aqui e compartilhar com você tudo isso, outra música, como uma resposta a todas minhas dúvidas, foi-me lançada pelo meu inconsciente. E é com ela que termino essa postagem.


But in your dreams
Whatever they be
Dream a little dream of me...


domingo, 27 de junho de 2010

ARTE | Enrique Rodríguez


Descobri este arquiteto|desenhista industrial fantástico na Casa Cor São Paulo do ano passado! Gosto muito do trabalho dele. Vale a pena conferir! Trabalho minucioso, vivo, divertido e ao mesmo tempo elegante e muito bem equilibrado!

Divirtam-se  e deliciem-se tanto quanto eu! Algumas obras encontram-se em promoção no Galpão Enrique Rodríguez na Matias Aires 61 em São Paulo. Visitem e confiram! Recomendo.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Ikea + Facebook!

As idéias mais simples são as mais geniais. Veja como a Ikea se promoveu através do Facebook! Fantástico!

domingo, 20 de junho de 2010

O que é FIDELIDADE?

Acabaram de me indagar o que eu entendo por fidelidade (boa pergunta Lucas). Pensei um pouco e consultei as fontes. Eis a luz postada no Facebook!


Ser fiel a algo ou alguém é ter perseverança, é acreditar e confiar, ter uma afeição constante (como os cachorros), ser honesto, franco, sincero e verdadeiro. Tive ajuda do Michaelis claro! Mas escolho uma definição entre essas: SER FIEL É TER AFEIÇÃO CONSTANTE. Quando gostamos menos de alguém ou isso não é constante abrimos espaço para outro ou outros. Por isso, assim como o AMOR, a FIDELIDADE exige dedicação e disposição. ;D


O Tigor também é fiel. Afinal, ele é quase um cachorro!

domingo, 13 de junho de 2010

Ale, Alejandro!

Gaga me ligou na semana errada pra eu fazer esse vídeo. Afinal, a música tinha sido composta para mim. Nada mais natural que eu participasse dele. Minha vida estava uma correria (como sempre) e mesmo não podendo atender seu pedido lhe indiquei um modelo brasileiro pra me representar. Acho que ele deu conta do recado.

Ótima fonte de inspiração na cama para os entediados com a vida conjugal! Afinal, sexo é a solução de todos os problemas da humanidade! risos...

Brigadão Gaga por tudo! (Você ainda me lembra Ace of Base com uma pitada de Madonna. Sorry baby!). BeijoMeLiga!


segunda-feira, 24 de maio de 2010

Quero me casar também! Só falta pretendente agora!

Quero que meu casamento seja tão animado e bacana como este! Eu fiquei emocionado! E você? A alegria é contagiante!


Nhoque, molho de tomates, frango e agrião!

Hoje literalmente madruguei. O pensamento fluindo a mil logo cedo. A coberta a mais na cama prevendo um frio que não existiu também ajudou. Tentei tirá-la e voltar a dormir mas não teve jeito. Resolvi levantar e vir pra cá pra esvaziar a mente.

Abrindo colchetes [Antes de colocar essas linhas já fiz o Twitter conversar com o blog (veja acima sempre a última piada!) e com o Facebook! Tive que me virar sozinho já que meus dois pedidos pra Ana foram em vão (cê fica me devendo!). Estou adorando toda essa conectividade!] *prefiro os colchetes aos parêntesis - são mais bonitos!

Ontem fui questionado como posso sentir falta de alguém que vi e convivi apenas durante um dia. Não soube responder na hora. Nem sempre consigo racionalizar de bate-pronto meus sentimentos. Sou loiro! Dá um desconto! ;D Fiquei martelando nesse pensamento o resto da noite junto com duas taças de vinho. Fui dormir sem respostas. Acordei cedo com uma lembrança de infância.

Quando minha avó ainda cozinhava (ela parou há alguns anos por ser uma mulher de vanguarda e não se comportar sempre como todas as vozinhas fofinhas e bonitinhas dos livros de histórias), um dos meus pratos prediletos era nhoque com molho vermelho feito com coxinhas da asa de frango e salada de agrião. A combinação desses quatro ingredientes - nhoque, molho de tomates, frango e agrião - me faz viajar no tempo e ficar emocionado. O nhoque precisa ser feito em casa com batatas e pitadas de noz moscada certo?! Senão não vale!

Tudo bem que o trabalho todo era liderado pelo meu avô (sinto falta dele...) e todos em casa ajudavam na feitura dessa lembrança gostosa de tempos idos. Enchíamos a mesa da cozinha de farinha  onde a massa do nhoque era aberta. Gostava muito de fazer as minhocas com a massa e depois cortá-las em pequenos e saborosos pedaços crus que seriam cozidos. A gente se entupia de nhoque cru antes da refeição (às escondidas claro! O proibido é sempre mais gostoso!).

Era um momento especial de almoço em família, de trabalho e cooperação. Talvez esses sabores me emocionem por me remeterem a tudo isso. O sentimento de amor, carinho, respeito e aprendizado nesses momentos ternos em minha casa em Joinville ficou eternizado nesse prato tão especial pra mim (e em tantas outras lembranças que vão e vem).

E muitos outros momentos importantes pra mim são eternizados em meus pensamentos de alguma maneira. Através de sabores, cheiros, imagens e sentimentos. Por isso tenho a certeza de que fatos especiais em minha vida, como conhecer alguém que eu considere importante de algum modo, podem ser breves, mas se forem intensos já terão valido a pena!

Sim, posso sentir falta de alguém que conheci durante apenas um dia todo. Assim como sinto falta do nhoque feito em casa em família... E tenho certeza que bastou experimentar apenas uma vez para eu me apaixonar por esses sabores.

Nada mais que isso.

domingo, 23 de maio de 2010

Tigor T. Tigre!

Relutei bastante tempo em ter um gato. Quando morei com a Lu peguei o gosto de vez por bichos. Sempre tive cachorros morando em casa. Mas em apartamento a dinâmica é outra. Um pouco antes de me mudar para cá comecei a procurar meu novo companheiro. A internet foi o caminho encontrado. Busquei vários sites de adoção e encontrei uma senhora que tem um pequeno gatil de filhotes para adoção.

Enfiei na cabeça que queria um gato amarelo. Talvez por simpatizar pelo Garfield e também pelo Bichento, o gato da Hermione. O coisa difícil de encontrar! risos... Queria uma fêmea amarela. Mais incomum ainda. Pra cada fêmea amarela existem três machos da mesma cor. Depois de dois meses de conversa com a Cris (dona do gatil) encontramos um filhote pra mim (eu não queria um gato usado! risos...). Um macho amarelo! O conheci 15 dias antes dele vir pra cá. Tava muito mirradinho e precisava ficar mais um tempo com outros animais.

07 de setembro ele estava aqui em casa me dando muitas alegrias e algumas preocupações também. Veio meio doente, com faringite (tomou Benzetacyl!) e pulguento. Depois de quase dois meses de ração Ultramegapowerblasterpremium ele melhorou e dobrou de tamanho e peso.

Hoje com quase um ano já está grande, forte e feliz. Junto comigo! É minha família aqui em São Paulo. Não cobra nada. A não ser as necessidades básicas - comida, atenção, carinho, calor, água e limpeza da caixa de areia. Mas ganhei um amigo peludo e quentinho para o inverno que escuta meus problemas e dá conselhos ótimos.

Sim, eu converso com meu gato. Achava um pouco esquisito quando via isso com outras pessoas. Mas aderi a causa. Eu converso com meu gato e ele responde! Aliás, ele é bem falante pra um gato. Muito sociável com estranhos e busca a cordinha (seu brinquedo favorito) quando a jogo. Ele é praticamente um cachorro! Quando assobio e o chamo pelo nome também atende. Extremamente carinhoso. Apronta das suas claro! Quem não o faz? Além do mais. Ele acaba de entrar na vida adulta. E eu também! Bom, já mais um pouquinho de tempo que ele.

Ele acaba de subir no meu colo, depois de olhar pra mim e soltar o miado de: "Quero você!". Já deitou. Bom sentir o calor de outro ser. Ainda mais que os gatos possuem uma temperatura corporal maior que a nossa. Algo próximo aos 39 graus acho.

Ainda sobre o histórico dele - foi encontrado numa gaiola com outros filhotes tão mirrados quanto ele num pet shop mequetrefe aqui em São Paulo e resgatado pela Cris. Abaixo encontrei um video dos seus pais discutindo. Já dá pra ter uma idéia do ambiente familiar. risos...



Hoje sou feliz com o Tigor (outro dia conto a origem do nome dele pra quem ainda não sabe). E tenho a certeza de que ele é comigo! Acredito nos encontros providenciais! Ele é especial pra mim! Outros poderão ser também.

MIAU! 

sábado, 22 de maio de 2010

Face to face!

Seguindo a meta de me inserir nas redes sociais acabei de aderir ao Facebook! Até onde sei, a maior rede social de todo o mundo!!!

Agora face a face virtualmente com todo o planeta! E com um botão bacaninha ali do lado! Confira!

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Yes! Redes sociais!

A divulgação em redes sociais tem sido bastante explorada. E não vou ficar pra trás não! :D Além do Orkut acabei de aderir ao Twitter. Follow me! alessandroARQ. Como estou ficando expert na manipulação deste blog adicionei os botões ao lado para facilitar a vida de todos!

Se quiser eu posso te ensinar a inserir os botões em seu blog também. Mas lembre-se: Não existe amor desinteressado! risos...


quarta-feira, 19 de maio de 2010

All refreshed!

Depois de uma overdose de blogs que se iniciou ontem, e um dia de retiro da vida padronizada, meu blog foi revisado, moldado, revitalizado e renovado! Agora as palavras respiram mais livremente de forma mais clara, convidativa e colorida! Fruto de uma tarde de pesquisas e avaliações.

O Tigor, que em breve fará seus posts por aqui também, ajudou bastante no dia de hoje me aquecendo e dando ânimo (até abstraí o furo no colchão de ar que ele fez...).

O foco das postagens foi revisto também. Antes, aconteciam de forma terapêutica por eu ser descrente na espécie psicólogo e/ou psiquiatra (acreditem, já tive minha dose deles na vida). Agora os textos fluirão por entre minhas vontades, experiências, quereres, desejos, encontros e desencontros por aqui e por ali. Passarão também, é claro, pela minha vida profissional. Ou pelas minhas vidas profissionais. Sim. Novos rumos se apresentam diante de mim. Antigos e novos amigos se juntam também. E novas e antigas parcerias vibram tendo voz, ou palavras mudas, neste blog.

Seja muito bem-vindo a minha nova casa virtual! Mais confortável e mais alegre e viva com sua presença.

Sinta-se em casa também!

;D

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Yes! Nós temos Maliculina!

Não posso começar essa postagem sem antes mencionar o tormento que tenho sofrido nesse último ano todas as terças e quintas a noite durante minhas aulas na pós-graduação. Minha prima torta, que também reside sobre a sombra do Teixo, infernizou minha vida nesses últimos tempos para postar sobre este tema tão considerado por ela. Obrigado Bia pela insistência, carinho e amizade! Segue abaixo!

Há mais ou menos uns dois anos atrás, quando minha vida deu uma reviravolta muito grande com minha demissão inesperada e a perda de tudo que já havia construído por aqui, fui morar com uma amiga conhecida que me adotou como um animalzinho abandonado (ela já havia adotado mais dois animais antes de mim, uma pug com a língua pra fora chamada Ana Julia e uma gata atropelada e incapacitada de grandes saltos chamada Lilica). Sim, na época apenas amiga conhecida pois depois dos nove meses de convivência intensa (nasceu!) criamos um vínculo afetivo bem maior. Hoje a considero uma grande amiga (obrigado por tudo sempre Lu!). Nesse casamento (foi perfeito como muitos casamentos - a gente nem transava também!) e durante nossas trocas diárias de informação foi-me apresentado por ela o termo Maliculina - grande teoria do pai médico da Lu. E o que é isso??? Pois bem, a Maliculina vem a ser uma proteína ligada ao grau de maluquice muito presente nos seres humanos. Todos somos emissores e receptores de Maliculina considerando que ela gera um campo de emissão e atração ao nosso redor, em maior ou menor grau. Alguns emitem mais Maliculina e outros atraem mais Maliculina, e outros ainda tem ambas energias digamos assim, muito bem desenvolvidas. Penso hoje, depois de alguns anos de reflexão e experiências Maliculínicas, que ela pode ser nata e/ou desenvolvida durante toda nossa vida.

E o que isso implica na vida de todos? Esta é a questão. Quando pessoas com alta concentração de Maliculina no organismo se encontram e estão próximas, a probabilidade de coisas bizarras acontecerem é incrivelmente grande! Pense comigo e faça as suas contas. Pense nas coisas bizarras que lhe aconteceram em sua vida e lembre-se daquele amigo maluco com alto teor de Maliculina do seu lado sempre. Sim! Você também tem uma alta concentração de Maliculina para ter atraído este ser para você!

Vou narrar dois fatos exemplificando a atuação da Maliculina em minha existência. Fato 01. Estava eu sentado num café com um amigo conversando sobre a vida, numa conversa altamente carregada de Maliculina é claro, quando uma senhora entre seus 50 e 60 anos mete a cabeça entre nós (estávamos num sofá tomando nosso café) dizendo que não poderia deixar de comentar sobre nossa conversa (olha a Maliculina em ação!!!). Papo vai, papo vem, ela nos disse que estava sendo perseguida há anos, que mudava de endereço sempre, de nome e vivia com medo. Praticamente uma fugitiva judia correndo dos alemães, tirando claro o descompasso temporal. Olhei para esse amigo e disse: "Cara, você tem muita Maliculina dentro de você. Não podemos mais nos ver! É  perigoso!" Nunca mais o encontrei. Tenho medo dessas coisas. Mas ele me disse em algum encontro por acaso (os Maliculinos, que são os portadores de Maliculina, se atraem sempre! Impossível fugir!) que reencontrou aquela senhora no mesmo café um outro dia e conversaram muito! Eu hein! Evito esse café sempre que posso.

Fato 02. A Maliculina não é uma proteína presente apenas nos seres humanos. Encontramos uma grande parte de animais que também são Maliculinos. Se você se identifica com tudo acima e possui um animal de estimação o avalie com atenção. Ele é maluquinho, não é mesmo?! Parte da educação Maliculina dele se deve a você, é claro. Mas se ele não fosse um Maliculino em potencial jamais teria chegado as suas mãos. Meu gato chamado Tigor, por exemplo, acha que é um cachorro. Ele atende vários chamados pelo nome, assobios e quando jogo sua cordinha (seu brinquedo mequetrefe favorito! A bola cara ele nem liga!) ele sai correndo buscá-la e a coloca junto a mim para repetir infinitamente a brincadeira. Ele é portador de Maliculina sim. E o educo para ser assim também! Afinal. não posso evitar e lutar contra essa informação. Mas o fato não é esse. Estava eu passeando com a Ana Julia (cadela da Lu já apresentada acima), uma pug deliciosa de apertar e esganar (ela adora brincadeiras brutas, claro) quando na esquina de casa ela estaca no chão de repente. Meu braço fica pra trás preso na coleira atada aquele ser troncudinho. Olho pro cachorrinho sentado com a cara de pau mais simpática do mundo (acreditem, ela é a Miss Simpatia do bairro) me encarando. Um cara passa na rua e vê a situação bizarra. Eu tentando puxar o cachorro pela coleira insistentemente. Afinal, não tínhamos nem saído da quadra de casa e ela não tinha feito nem o número 1 muito menos o número 2! O mesmo cara comenta: "Tadinho do cachorro, tá cansado." Comento: "Cansado??? A gente tá na esquina de casa!" Ele retruca com cara de indignação devido a sua sapiência com animais: "Mas ela tá com a língua de fora!". Sentencio: "Ela tem a língua pra fora!". Ele sem acreditar que o cachorrinho era daquele jeito se afasta certo de que eu era o ser humano mais maldoso com os animais naquele momento fazendo o pobre animal ser arrastado pela coleira quilômetros sem fim até esgotado colocar a língua pra fora e se entregar a exaustão.

Bom, se depois de tudo isso você ainda desconfiar que a Maliculina é lenda ou não existe de verdade é porque sua hora não chegou! Fique atento! Mais dia, menos dia, um Maliculino vai esbarrar em você, e você vai lembrar de tudo isso. Corra o mais rápido que puder! Ou faça como eu, abrace seu amigo Maliculino e vivam todas as bizarrices que esta fantástica proteína pode lhes oferecer!

Yes! Nós temos Maliculina (eu, o Tigor, a Lu, a Ana Júlia e a Bia!!!)