terça-feira, 24 de agosto de 2010

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

PEDAL 08AGO2010 | Voltando as raízes!


No final do nosso passeio de hoje, domingo Dia dos Pais, recebi carinhosos "escreva mais" (valeu Kiko!) que juntamente com os demais elogios me fizeram voltar a realmente escrever mais sobre nossas experiências pedalísticas!


Hoje o pedal foi literalmente passeio-no-parque (pouco mais de 20 km inclusive levando a bike pra passear no Jardim da Luz também)! Volto a frisar que nossos encontros não podem contar como prática desportiva! risos... Os objetivos são outros (mesmo que não muito claros pra muita gente! ; b). Iniciamos como sempre na Frutaria Paulista (final da Paulista e da Angélica) lá pelas 10h e alguma coisa. Acredito que este ponto de encontro não possa mais ser alterado. Eu já estou condicionado e posso me perder! Como estávamos com artigos importados no grupo (seja bem vindo sempre Pedro! Werter, traga-o sempre!) descemos em direção ao centro da cidade para ilustramos e vivenciarmos parte da história de São Paulo.

Acho sempre engraçada essa denominação de centro para uma cidade tão grande como São Paulo. Os mais antigos ainda o chamam de "cidade". Minha avó até hoje me pergunta: "Vai pra cidade?". Assim, o centro de São Paulo, como marco inicial da cidade, já foi a peça central desta grande metrópole. A ponto de ser considerado como "cidade". Com o crescimento (ordenado e desordenado nesses mais de 400 anos) de São Paulo esse contexto mudou. O centro de São Paulo continua sendo denominado centro mas com a conotação de marco zero. Hoje, a vida nesta cidade grande gira em tornos de centenas de outros centros urbanos que independem da primeira região central. Mas esta ainda guarda seu charme e elegância de tempos idos.

Volto no tempo quando percorro alguns caminhos no centro da cidade. Imagino como seria estar no auge dessas grandes e luxuosas construções, desse espaço feito para o caminhar como bem colocado pelo Carlos. Arquitetura que não se faz mais hoje em dia. Uma riqueza de detalhes e materiais que talvez não voltem mais. Os tempos mudam. Mas mesmo assim temos e sentimos o gostinho do passado. Demos algumas voltas no centro e passamos pelo Pátio do Colégio onde o Padre Manuel da Nóbrega e o noviço José de Anchieta estabeleceram um núcleo de catequização dos índios no planalto paulista. Vimos e tiramos fotos com a marquesa (!). E ainda me perguntam por que gosto e estou em São Paulo!

Sempre tive uma ligação afetiva muito grande com esta cidade. Apesar de ter nascido aqui fui criado e naturalizado catarinense (já não canto tanto... risos...). Voltei há  4 anos pra metrópole. E estou feliz nesta cidade. Feliz por respirar história no centro da cidade, por vivenciar um pouco o passado e aprender com ele, por estar com amigos que participaram e muito de tudo isso (você tem muitas intervenções no centro Carlos. Bom poder compartilhar isso com os amigos) e estar com outros que são apaixonados pelos fatos e acontecimentos da cidade (valeu Cesar!). Fora a companhia sempre bacana dos demais pedalantes que contribuem com presença, causos, histórias e amizade.

Voltei pra cá, Carlos, por me sentir em casa, por querer retornar as minhas raízes, por me sentir familiarizado com a arquitetura e os espaços através das histórias da minha família contadas em Joinville. Eu me sinto bem aqui. E as histórias que carrego dentro de mim, a vida da minha família por aqui, lembranças de outrem muito queridos pra mim, me trazem sentimentos de alegria, conforto e proteção. Sentimentos semelhantes que experimento dentro do grupo de pedal onde me sinto querido e protegido (viva o comportamento de bando!).

E nada mais inconsciente do que, no Dia dos Pais, pedalarmos pelas origens da cidade de São Paulo. Onde neste dia tão especial comemoramos parte de nossa própria origem. Voltamos a atenção para nossas raízes passeando e perambulando também pelas raízes de São Paulo. Cada qual a sua maneira e com suas próprias vivências. Alguns com muito a se comemorar nessa data e, outros com um sentimento de perda ou vazio (saudade de um pai que já se foi ou talvez de um que nunca tenha existido de verdade. Olhe pra cima! Ou pra dentro de si!). 

Nossas raízes se entrelaçam e se misturam mais a cada encontro de pedal (hoje também tive seção terapia com o Cesar num papo lado a lado bem bacana. Brigado!). Bom poder criar raízes na minha terra natal com amigos tão bacanas. Bom poder compartilhar essas histórias com pessoas tão especiais.

E você talvez seja uma delas. Venha se enraizar em nossa singela e alegre floresta repleta de histórias, vidas, paixões e muitas pedaladas!

sábado, 21 de agosto de 2010

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Aprenda com Gandhi!

"Assim como uma gota de veneno compromete um balde inteiro, também a mentira, por menor que seja, estraga toda a nossa vida."


Mahatma Gandhi

terça-feira, 17 de agosto de 2010

O Sol nasce novamente! Sempre!

Começo e Fim...

Como tudo começou...





E como tudo termina...


sábado, 14 de agosto de 2010

PEDAL 01AGO2010 | As Bicicletas de Belleville!

Hoje enquanto pedalava lembrei muito de um filme que assisti anos atrás em ótima companhia no Rio (bom ter amigos como você Paulo) - As Bicicletas de Belleville (Les Triplettes de Belleville). Filme francês que mostra a paixão de um menino solitário pelo pedal. Paixão esta incentivada pela avó (recomendo se ainda não assistiu).

Nem sempre encontramos nossas paixões e o que nos torna mais felizes. Mas quando encontramos algo que nos traz alegria devemos abraçar com disposição! Sempre gostei muito de pedalar e há alguns anos atrás minhas pedaladas começaram a ficar mais sérias. Isso quer dizer trechos mais longos e mais tempo em cima da magrela! Culpa de minha amiga triatleta (valeu Cris!) que me incentivou a correr e pedalar. Hoje sei que deixei de ser um mero "bicicleteiro" e passei para a categoria ciclista (amador claro). O pedal se tornou uma paixão em minha vida que limpa minha mente, ordena minhas idéias e no grupo me aproxima de pessoas bacanas e que possuem a mesma paixão que eu.

No encontro de hoje, no primeiro dia do mês do cachorro louco, nos encontramos como sempre na Frutaria Paulista (no final da Paulista e da Angélica) por volta das 10h da manhã. Pedalamos algo entre 20 e 30 km... A contagem é variável pois cada um tem a sua em seu respectivo ciclocomputador. Mas a mais precisa feita pelo GPS do Nando hoje comeu uns trechos (a tecnologia é ótima quando funciona!). Fomos até o Parque da Juventude (em Santana bem ao lado do Metrô Carandiru) onde antigamente funcionava a Casa de Detenção Carandiru. Chegando lá nos deparamos com uma fanfarra tocando a mil e cheia de evoluções e acrobacias (veja as imagens!). Pura diversão! Enfim, demos uma volta em todo o parque pra conhecermos o local e sua fauna e flora! risos... O espaço é bem legal!

Como sempre, pedalamos em vários momentos lado a lado conhecendo um ao outro.  Não biblicamente claro. Não sei se tenho destreza pra isso também... risos... Mas fico feliz em pedalar na companhia de bons amigos e novos que chegam a cada pedalada. Hoje conheci a Renata que é amiga do Celso e descobri também que todos, inclusive eu, estudamos na UEL (Universidade Estadual de Londrina) e fomos contemporâneos na época. Incrível! Sempre fico impressionado com esses encontros aqui na cidade grande. Em algum momento lá em Londrina com certeza nos esbarramos ou sentamos na mesma mesa para almoçar no RU (Restaurante Universitário - a comida era boa e nem era bandejão!). Mas somente hoje tivemos a oportunidade de conversar e trocar idéias. E o que proporcionou esse encontro hoje e não há anos atrás? A paixão pelo pedal!

E esse é um dos motivos que me faz acordar um pouquinho mais cedo no domingo de manhã e ir pedalar. Boa companhia! Novos amigos! Novos antigos amigos ou antigos novos amigos! Como preferir. E todos com a mesma paixão. Encontrei no pedal grupal ou como uma amiga denominou, orgia no selim (risos...), bons amigos para compartilhar esses momentos antes solitários. Agora limpo minha mente, ordeno minhas idéias e faço novos amigos além de cultivar as demais amizades! Trocamos idéias, pensamentos, histórias! E com certeza damos muitas risadas. A pedalada é uma mera desculpa pra nos encontrarmos e não pode contar como prática de exercício físico! risos... Mas gastamos nossas calorias que tento repor no percurso com alguma boquinha leve (poxa! Hoje só foi um pão de queijo, um misto quente, um suco e o CarbUp!). Sim, sinto fome! Sempre! Além de tudo, a cada pedalada conhecemos mais um pouquinho um do outro...

Hoje descobri que o Celso só atende gente louca! Descobri que o Nando é curintiano (Deus tenha piedade!)! Descobri que a Renata, eu e o Celso estudamos na mesma universidade (Well, eu estudei na UEL!)! Descobri que o Alejandro já é pai (viva a Sol)! Conheci pessoalmente o Cesar depois de várias mensagens carinhosas no Facebook! E conheci o Gustavo e dialogamos como bons amigos apesar da rixa entre nossas profissões! E vimos o Kiko de pé na areia no Rio via Facebook para iPhone! E esse dia gostoso de pedal com todas essas pessoas bacanas (mesmo as virtuais!) já está registrado com carinho em minha memória e nestas singelas palavras.

Se uma de suas paixões é o pedal, deixe e preguiça de lado no domingo de manhã e venha passear com a gente. A gente não morde! (alguns podem achar isso uma pena claro!). Se não tem bicicleta saiba que pode alugar (o Gustavo fez isso hoje!). Se não sabe se o pedal pode ser uma paixão sua venha descobrir num dia de sol! Sunday morning! O que tem a perder? A ganhar muitas coisas. No mínimo bons e divertidos amigos loucos por bicicleta (ninguém ainda medicado até onde sei... risos...).

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

ARQUITETURA | Fachada Legal! Cor Fascinante!

Fazia tempo que não via um edifício bacana com uma cor condizente. Curti muito esse nos Jardins em São Paulo. Prédio pastilhado em azul e branco. Gostei muito!